burburinho

erico verissimo

livros por Leandro Oliveira

Desde h muito tempo, a humanidade anseia a longevidade. De antigos imperadores chineses, buscando a frmula mgica da imortalidade atravs de elixires, at os atuais tratamentos estticos avanados, o que se percebe uma tentativa constante de controlar o tempo, prolongando-o. Com o domnio da palavra, o ser humano conseguiu uma arma poderosa para fugir dessa priso. Apesar disso, podemos dizer que nem todos os que a utilizaram foram bem sucedidos e suas palavras desapareceram pelo efeito do tempo. No entanto, alguns grandes escritores conseguiram usar belamente suas palavras, extraindo mais vida do dia a dia, como se o tempo fosse apenas uma massa de modelar. Com certeza, entre estes poucos privilegiados podemos incluir o escritor Erico Verissimo. Suas obras esto disponveis para provar isso.

Antes de citar sua obra-prima que trata justamente do tempo, necessrio analisar sua estratgia de subjugar o tempo em suas memrias - Solo de Clarineta, volumes 1 e 2. Embora a memria nem sempre seja fidedigna - afinal, ela maximiza nossas alegrias ao passo que dilui muitas de nossas decepes - ela exige reflexo e cuidado para ser apresentada, tornando o escritor um verdadeiro arteso do tempo. Se alguns poucos minutos so importantes, como o relato onde Sebastio Verssimo se despede do futuro escritor na estao ferroviria de Porto Alegre, estes so ento prolongados e descritos em mincias, ampliados, tornando-se assim mais significativos. Ao ler o relato em suas memrias quase que podemos ver o rosto desiludido do tempo percebendo sua derrota, observando que palavras to bem escritas simplesmente continuaro ecoando na memria de muitos e se estendero, tornando-se momentos significativos e no apenas meros minutos.

Da, ao examinar a obra O Tempo e o Vento, podemos afirmar que a vitria foi arrasadora. Erico Verissimo j no mais tenta dominar um tempo prprio, que ele mesmo viveu, mas passa a dominar o tempo de outras geraes. Estas geraes, embora afastadas do prprio escritor pelo tempo, tambm fazem parte de sua histria, pois foram pessoas destas geraes que construram o sul do pas e conseqentemente Cruz Alta, cidade onde nasceu. Erico criou personagens que deram voz a estas pessoas, causando o efeito inverso do tempo, ou seja, aproximando-as de ns. Ana Terra, Capito Rodrigo, Licurgo Cambar, Bibiana, Luzia, Jos Lrio, Fandango, Dr. Rodrigo, Flora, Slvia, Floriano, personagens que embora faam parte da fico, parecem ser reais em nossa imaginao, como se estivessem presentes nos fatos histricos do Rio Grande. Atravs da leitura, portanto, dos trs volumes da obra, somos conduzidos pelo escritor a uma viagem no tempo, que comea nas misses jesutas, em 1745, e nunca se encerra, j que no final do ltimo tomo Floriano comea a escrever a histria de sua famlia, exatamente a mesma primeira linha que foi escrita no primeiro tomo da obra. Mas Erico Verissimo fez ainda mais: satirizou este eterno inimigo ao escrever Incidente em Antares, considerado por alguns como o quarto volume da obra. L, ele escreve sobre mortos que se recusam a ocupar seu lugar no esquecimento e de modo bem engraado, infernizam a vida dos vivos.

Erico Verissimo nasceu em 1905 e, embora falecido em 1975, sua vida ainda continua presente atravs de seus maravilhosos livros. Traduzido para vrios idiomas, considerado um dos maiores escritores da lngua portuguesa do sculo XX. Seu filho, Luis Fernando Verissimo, classificou-o apropriadamente como um "escritor de vanguarda", que apesar de seu vasto conhecimento da literatura, preferiu ser simplesmente um contador de histrias - segundo sua prpria definio -, acessvel grande maioria dos leitores. Por ocasio de seu centenrio, temos a oportunidade de legitimar a ampla vitria deste escritor sobre o inimigo implacvel que o tempo, ao apanhar um de seus livros na estante e nos deleitar com suas palavras. Um deleite, alis, inigualvel.


pensamentos despenteados para dias de vendaval
Copyright © 2001-2005 Nemo Nox. Todos os direitos reservados.